Mês: dezembro 2010

Cronologia do namoro

Helio Felippe Longas juras de amor eram feitas na namoradeiras no final do século XIX, quando se idealizava a mulher em suas características femininas. José de Alencar registra em seus contos os olhares das famílias que tiravam toda e qualquer privacidade das mulheres da época Por volta dos anos 40, depois da segunda guerra, as mulheres conquistaram um namoro no portão com hora marcada, vigiada por pais e irmãos. Nessa época, as novelas no rádio tornavam-se popular, no entanto, o comportamento dos casais não iam além de leves toques de mãos. Beijo, nem pensar. Anos 50, nesta época, o rapaz apaixonado ganhou o direito de atravessar o portão e se instalar no sofá da sala, sempre sob o olhar do elemento mais natural da família, a famosa “vela” que era um desocupado (avó ou irmão), que ficava sempre juntos ao casal para não facilitar qualquer gesto além de um olhar, um sorriso. Eram os bastiões da moral e bons costumes. Sexo, só depois do casamento. Uma verdadeira avalanche ocasionou a contracultura modificando os valores morais nos anos 60. Impulsionado pela pílula anticoncepcional, a permissividade sexual desafiou os namorados à proibir proibir. O festival de Woodstock selou esse comportamento, onde beijos e abraços e até mesmo filhos precoces despontavam juntamente com a rebeldia da época. O sexo acabou banalizado através da facilidade em consegui-lo. Instalou-se a falta de confiança entre...

Leia mais

Namoro, casamento, romance

Arnaldo Jabour Sempre acho que namoro, casamento, romance tem começo, meio e fim. Como tudo na vida. Detesto quando escuto aquela conversa: – ‘Ah, terminei o namoro… ‘ – ‘Nossa, quanto tempo?’ – ‘Cinco anos… Mas não deu certo… Acabou’ – É não deu…? Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que acabou. E o bom da vida, é que você pode ter vários amores. Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam. Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro? E não temos esta coisa completa. Às vezes ele é fiel, mas não é bom de cama. Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel. Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador. Às vezes ela é malhada, mas não é sensível. Tudo nós não temos. Perceba qual o aspecto que é mais importante e invista nele. Pele é um bicho traiçoeiro. Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico que é uma delícia. E às vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona… Acho que o beijo é importante… E se o beijo bate… Se joga… Se não bate… Mais um Martini, por favor… E vá dar uma volta. Se ele ou ela não te...

Leia mais

Sobre tempo e jabuticabas

Rubem Alves Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ele chupou displicentemente, mas percebendo que faltam poucas,rói até o caroço. Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte. Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos. Já não tenho tempo para conversas intermináveis para discutir assuntos Inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos. Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral. Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: ‘As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos’. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa… Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja tão somente caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes. Nunca será perda de tempo....

Leia mais

Ser Feliz ou ter razão?!?!

Oito da noite, numa avenida movimentada.. O casal já está atrasado para jantar na casa de uns amigos. O endereço é novo e ela consultou no mapa antes de sair. Ele conduz o carro. Ela orienta e pede para que vire, na próxima rua, à esquerda. Ele tem certeza de que é à direita. Discutem. Percebendo que além de atrasados, poderiam ficar mal-humorados, ela deixa que ele decida. Ele vira à direita e percebe, então, que estava errado. Embora com dificuldade, admite que insistiu no caminho errado, enquanto faz o retorno. Ela sorri e diz que não há nenhum problema se chegarem alguns minutos atrasados. Mas ele ainda quer saber: – Se tinhas tanta certeza de que eu estava indo pelo caminho errado, devias ter insistido um pouco mais… E ela diz: – Entre ter razão e ser feliz, prefiro ser feliz. Estávamos à beira de uma discussão, se eu insistisse mais, teríamos estragado a noite! Moral da história Esta pequena história foi contada por uma empresária, durante uma palestra sobre simplicidade no mundo do trabalho. Ela usou a cena para ilustrar quanta energia nós gastamos apenas para demonstrar que temos razão, independentemente, de tê-la ou não. Desde que ouvi esta história, tenho me perguntado com mais freqüência: ‘Quero ser feliz ou ter razão?’ Outro pensamento parecido, diz o seguinte: ‘Nunca se justifique. Os amigos não precisam e os...

Leia mais

Dia internacional da luta contra a AIDS

ONU alerta sobre custo de tratamento da aids no Brasil O Programa das Nações Unidas para HIV e Aids (Unaids) fez ontem seu mais forte alerta na última década sobre a situação da doença no Brasil. No primeiro dia da Conferência Internacional de Combate à Aids, o diretor executivo da Unaids, Michel Sidibé, alertou que os custos do tratamento no Brasil voltaram a ficar elevados, ameaçando o acesso aos remédios e colocando em risco toda estratégia desenvolvida nos últimos anos. A política brasileira de combate à aids sempre foi apontada pela Organização das Nações Unidas (ONU) como um exemplo a ser seguidos pelos países emergentes. “O tratamento não é sustentável e os custos estão aumentando. Em alguns países, mesmo pessoas que receberam tratamento durante anos agora estão perdendo acesso. Estamos em uma encruzilhada se continuarmos com políticas sem qualquer coordenação”, declarou. Até o fim desta semana, 25 mil cientistas, ativistas e médicos debaterão em Viena formas para lidar com a doença que afeta 33 milhões de pessoas no mundo e já matou 25 milhões desde 1980. Em nota, o departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde do Brasil, afirmou que “o País vem, gradualmente, negociando o preço dos medicamentos com grandes vitórias”. Segundo a pasta, o custo caiu consideravelmente e, por isso, o País oferece a melhor opção de tratamento aos pacientes. O ministério diz...

Leia mais
  • 1
  • 2