Mês: Abril 2016

Solidão a dois

Não há amor, nem diálogo. Apenas um relacionamento falido. O que fazer? No apartamento, cada um no seu canto. Não há diálogo, não há entendimento, não há toque, não há carinho. Apenas a ilusão de um relacionamento que, na realidade, já está falido, acabado. A solidão a dois é, muitas vezes, mais dolorosa que a solidão desacompanhada. Isso porque ela vem sempre carregada de mágoas e decepções que nutrem o monstro da desilusão, criando um desarmônico e doentio laço, que aprisiona o pseudo-casal. Muitas pessoas garantem viver um inferno dentro de casa. Não se sabe precisar ao certo quando o relacionamento faliu, mas conseguem enumerar algumas razões. É basicamente um acúmulo de coisas. Falta de paciência, intolerância, egoísmo e acho que até um excesso de idealização. Vai se varrendo os problemas para baixo do tapete, negando-se a enxergá-los e isso vai roendo o casamento. Reconhecer os próprios erros e os do outro também é importante. Um exemplo disso é a rotina do casal, por exemplo: a mulher chega do trabalho, vai para o quarto enquanto ele está lá na sala vendo televisão.Não se falam, ele fica imóvel no sofá e ela vai direto para os afazeres. A casa fica praticamente dividida em dois territórios e mal se cruzam. Cada dia que passa, a vida conjugal fica pior. Pode-se comparar esse problema a um bolo, cujo fermento são exatamente as...

Leia mais

Não Siga a Manada – seja resiliente

O pensamento não é uma abstração. A energia mental tem força e direção, interfere na qualidade do ambiente e na sensação de bem ou mal estar das pessoas. O sentimento que embala um pensamento lhe afere maior ou menor poder de irradiação. Quanto mais intensa e sincera for uma emoção, maior o seu alcance. Pensamento e sentimento são, portanto, forças da natureza que por invigilância – ou ignorância – malbaratamos todos os dias. Distraídos e dispersos, abrimos mão do comando mental e seguimos o fluxo. O resultado disso não é nada bom. O que se convencionou chamar de movimento de manada (essa correria irrefletida não se sabe muito bem pra onde) tem origem justamente nessa perda da autonomia, quando reproduzimos os pensamentos dos outros, nos espelhamos nos sentimentos dos outros, e a vida segue desprovida de sentido e verdade. É possível filtrar pensamentos e emoções. Oxigenar a mente, serenar o coração. Investir tempo e energia na direção do equilíbrio, da serenidade, da lucidez. Isso requer alguma disciplina, mas é perfeitamente possível onde haja VONTADE! Prece, meditação, leituras e músicas inspiradoras, boas companhias, bons papos, tudo isso entra no pacote. Engana-se quem acha que esses cuidados geram alienação, fuga ou afastamento da realidade. Na verdade, dá-se o contrário: uma mente serena percebe com maior clareza o que vai à volta, não se precipita em movimentos exasperados nem se atormenta com...

Leia mais