Muitos são os fatores, mas, em síntese, o diálogo diminui por ausência de entendimento. Quando não há entendimento, quando acabou o consenso, tudo o que vemos não tem nada a ver com diálogo. Vemos apenas pessoas se aturando por esse ou aquele motivo, por interesses particulares, até por dependência.
O diálogo é tão importante para trocar opiniões, aprofundar idéias, traçar caminhos, esclarecer dúvidas, como o ar, a água e tudo que nos alimenta.
O fator mais importante no diálogo é a arte de saber ouvir. Ouvir com paciência, com interesse, valorizando tudo que o outro expressa.
Outro ponto fundamental é a simplicidade na expressão das palavras, por que não se trata de um discurso. Assim, as colocações devem ser feitas de forma simples e clara, a fim de gerar simpatia e empatia em quem ouve.
Com o advento da Internet (salas de conversação, chats, ICQ e outros meios de comunicação ´on-line´, ´real time´ e até e-mails), tornou-se por demais importante e até fundamental “o saber escrever”; Saber principalmente pontuar e acentuar para, através dos limitados sinais de nossa escrita, sabermos passar nossas emoções afim de que, o que escrevemos ou quando tentamos dizer algo, isto seja perfeitamente entendido para quem nos lê.
Depende ainda para o sucesso de um diálogo, o desejo de ser útil, não nos esquecendo nunca do fato de que toda pessoa tem algo para nos ensinar, como resultado de sua experiência individual.
O diálogo estreita as relações entre pessoas bem educadas, pois cada qual se revela, informando sobre os seus recursos pessoais.
O diálogo é indispensável para a vida em sociedade. Como já dizia Abelardo Barbosa, ‘ O Chacrinha’ : “Quem não se comunica, se estrumbica”.
A palavra a serviço da vida, é operária do progresso, da felicidade e do bem geral. A boa comunicação resulta da qualidade do tema e da forma como ele se apresenta.
Aprendamos a falar com propriedade, evitando gírias, conceitos de duplo sentido e usar expressões que somente conduzem à agressividade e ao primitivismo. Não falemos apenas por falar. Falemos edificando, ajudando, libertando os ouvintes.
Muito cuidado com a “maldade de quem ouve”, pois geralmente a maldade não está em quem fala ou escreve, ela está em quem ouve ou lê.
O exercício do diálogo começa em casa, na nossa mais tenra idade.
Eu creio que, muitas das pessoas hoje consideradas adultas que não conhecem as maravilhas do diálogo, certamente são assim por que não ´assistiram´ seus pais, as pessoas mais próximas, dialogando.
Se você se acha uma pessoa tímida creia que não deva ser tanto assim! Não acredite que você não possa perguntar nada a alguém e que você não possa também aprender a dialogar, ouvindo.
Se você é daquelas pessoas que prefere ficar em silêncio por medo de falar, falar dos seus sonhos, dos seus desejos, das suas vontades, pratique o diálogo com boas leituras e imagine-se nos diálogos das páginas desses livros e acredite: – Não demorará muito e você estará dialogando com a maior facilidade. Você nem perceberá a mudança. Boas leituras aumentam a nossa imaginação, aumentam o nosso conhecimento e, como conseqüência, nossa vontade de compartilhar tudo isso com alguém aumentará também.
A nossa “linguagem de programação” é a imaginação. Quanto mais forte ela for – (a nossa imaginação) – maior será a nossa capacidade de criação, de dialogar.
Nesse exercício diário do diálogo com a nossa própria imaginação, obteremos o combustível ideal para que os diálogos com aqueles que mais amamos sejam frutíferos, encantadores e possam construir uma vida melhor à nossa volta.
Então… Vamos lá… Deixe o orgulho de lado e comece o dia dialogando consigo mesmo. Depois leia algo edificante e tente compartilhar o que você aprendeu lendo com os que lhe são mais caros.
Lembre-se: – Há milhares de pessoas esperando por uma palavra sua,… esperando prá aprender algo com você.
Há dezenas, senão centenas, de pessoas querendo conversar/dialogar com você e, com certeza, haverá algumas pessoas bem pertinho, talvez bem ao seu lado, na sua cama ou noutro quarto. Um vizinho, um colega de trabalho, querendo ´trocar umas idéias´, querendo compartilhar algo com você.
Não se cale e “dê” oportunidades para elas serem ouvidas também.
Saber ouvir é também saber falar… Falar com os olhos… Falar com o coração.