torcidas

Não desejo aqui ser teórico, técnico e nem passional. A verdade está aí para todos verem, mas vejam em outra emissora que não seja a Rede Globo!

Ontem, começando pela incompetência dos organizadores do jogo, numa quase decisão entre Atlético Paranaense e Vasco da Gama, torcedores de ambos os times se digladiaram de forma presumida e já anunciada. Qual era o limite para isso acontecer? Simplesmente uma corda de isolamento!!

Seria simples e poder-se-ia usar até uma linha riscado no chão para a divisão das torcidas, se lá não houvessem marginais anencéfalos e psicopatas. Quem torce, torce para seu time independente do resultado, torce com o coração, com emoção e não com os músculos. Sinceramente, não tenho pena daqueles que sofreram ataques e que estão hospitalizados. Estavam ali porque queriam estar na linha de frente, no enfrentamento, são sem dúvidas também protagonistas dessa barbárie. Diferente do torcedor Kevin Beltran do San José atingido por um sinalizador vindo da torcida do Corinthians lá na Bolívia. Este, nada tinha a ver com rivalidade entre torcidas, estava ali simplesmente para ver o seu time, acabou perdendo a vida.

Até quando será permitida a entrada de vândalos triangulados nas academias, com os corpos pichados assim como o fazem nos muros das cidades, sem cultura, sem leitura, sem equilíbrio. Onde estão os pais? Será que estão sofrendo por ter filhos dessa natureza marginal, assassina? Onde estão as autoridades que nada fazem em nome de alguns milhões de reais? O pior é que algumas torcidas organizadas são bancadas pelo próprio clube (?). Até bem pouco tempo, víamos estádios lotados de mulheres e crianças. Agora isso é passado, os estádios estão cheios de marginais travestidos de torcedores, bandidos que deveriam estar presos.

Já chega de exemplos! Estão esperando o que? Um massacre igual ao de Heysel em Bruxelas no ano de 1985? – Em vez de futebol, o que se viu foi um inédito espetáculo de barbárie, horror e morte patrocinado pelos torcedores ingleses do Liverpool. Foram 38 mortos e 454 feridos, 270 dos quais hospitalizados. A tragédia acendeu potentes holofotes sobre essa nova espécie de bárbaros que estão infiltrados nas torcidas organizadas.

No massacre de ontem entre os torcedores do Atlético Paranaense e Vasco da Gama, é muito fácil identificar os protagonistas através das imagens da TV. Prenda-os! Nós torcedores, apaixonados por futebol exigimos que as autoridades competentes tomem providência.

Não esperamos nada da TV Globo, uma emissora demagógica e omissa, que prega a violência através das suas programações. Na hora em que ela deveria transmitir o fato, passou a transmitir o jogo do Fluminense x Bahia. Não que esse jogo não tivesse importância, muito pelo contrário, no entanto, tratava-se de uma tragédia e precisava de cobertura. Tudo pelo dinheiro dos patrocinadores e que se dane os familiares que estavam com um amigo, um ente querido no meio daquele inferno.

Temos e devemos mover uma ação pública contra as torcidas organizadas e mesmo contra os clubes que eles patrocinam para que o pior ainda não aconteça.

Uma cultura não se cria em dois, quatro ou seis anos nas vésperas de uma copa do mundo. Uma cultura é fruto de trabalho constante, com perdas e ganhos, ensaio-e-erro. A copa do mundo não está comprometida, o que está comprometido é um Brasil de futuro, com filhos marginais, bombados, crakeados, sem cérebros, somente músculos.