Meu namorado e eu estamos juntos há quase dois anos. Tem sido uma delícia: somos companheiros, curtimos o mesmo tipo de música, nos divertimos muito juntos e ele me respeita sempre. Mas existe uma questão importante no nosso relacionamento: ele tem depressão.

Veja bem: eu disse que a questão é importante, e não definidora. Porque nosso relacionamento não se define por isso; é só algo a mais, uma característica dele que me afeta enquanto namorada. Às vezes é mais fácil; outras vezes, parece impossível, mas sempre tem um jeito. Aos poucos, eu tenho aprendido a lidar com isso. E isso é o que eu aprendi até agora:

  1. O QUE É DEPRESSÃO?

    Depressão não é uma tristeza básica. Depressão é uma doença físico-emocional, causada por uma deficiência nos neurotransmissores e que pode ser desencadeada por vários motivos ou por motivo nenhum – vamos deixar isso bem claro.Existem várias formas de depressão, e os sintomas variam, mas geralmente a pessoa deprimida fica sem forças para viver, se isola e acaba deixando de cuidar de si mesma (física e emocionalmente). Quando entra em crise, meu namorado costuma me explicar que é como se ele não conseguisse sentir nada, nenhuma emoção, a não ser um tédio extremo e alguma ansiedade. Mas isso muda de pessoa para pessoa.

    A depressão não tem cura, mas os sintomas podem ser controlados com terapia, com remédios antidepressivos e com reguladores de humor prescritos por um psiquiatra. E ter pessoas queridas ao redor pode ajudar, ainda mais se essas pessoas entenderem que a depressão não é uma questão de má vontade, de preguiça ou de incapacidade.

     

  2. NÃO É CULPA SUA

    Repita comigo: a culpa não é minha. Não tenho responsabilidade. Nada do que eu fizer pode acabar com a depressão. Vamos combinar: este será seu mantra daqui para frente.

    Às vezes, a pessoa deprimida precisa de um tempo sozinha. Isso pode ser muito difícil. Meu namorado tem esses períodos e eu, que sou muito insegura, costumo ficar ansiosa e com medo que ele não queira mais ficar comigo – meu primeiro pensamento é “o problema sou eu”. Isso é só um exemplo, já que as pessoas encaram a depressão das mais diversas formas, uns mais agressivos, outros mais tristes, outros mais apáticos.

    Seja qual for o sintoma, acredite: o problema não é você. A culpa não é sua, a responsabilidade não é sua e nada do que você fizer pode acabar com a depressão do seu namorado. A depressão de seu parceiro é uma condição dele. Então, saiba que você não precisa se sentir culpada, como se você tivesse causado alguma crise: você não tem esse poder. É físico. 

    Agora, se o seu namorado deposita a responsabilidade e a culpa em você, talvez seja a hora de rever se este relacionamento realmente te faz bem ou se é um relacionamento abusivoMeu namorado frequentemente deixa bem claro que eu não tenho culpa nenhuma, que ele me ama e que quer me ver feliz, mesmo quando ele está se sentindo mal.

  3. DIÁLOGO É ESSENCIAL

    Comunicação é a palavra-chave de qualquer relacionamento, e aqui a conversa se torna ainda mais importante. Não tenha medo de machucar os sentimentos do seu namorado: se vocês estão juntos, diga o que você está sentindo sempre que possível e evite guardar mágoas.

    Por exemplo: às vezes, meu namorado se fecha em si e eu tenho a impressão de que ele cansou de mim. Então, deixo bem claro que estou me sentindo insegura, e conversamos muito até eu conseguir ficar tranquila. Não é um processo fácil, mas ajuda muito.

    Mas fique atenta: o fato de o seu namorado ter depressão não significa que você precisa aguentar qualquer coisa. Depressão é uma doença, e é algo sério, mas não é desculpa para desrespeitar você. Se o seu parceiro sofre de depressão, ele precisa procurar um bom psicólogo para tratar do problema, e não descontar tudo em você. Lembre-se: você é a namorada dele, e não um saco de pancadas. Você merece ser respeitada e amada sempre.

  4. NAMORO NÃO É CARIDADE

    Nós, mulheres, somos socialmente programadas para cuidar dos outros. Por isso, é muito comum que, ao namorar alguém com depressão, a gente tenha a ilusão de poder “curar” aquela pessoa. Mas isso é um engano muito cruel.

    Primeiro porque você não deveria namorar uma pessoa apenas para “salvá-la”. Isso é no mínimo uma razão bem esquisita para estar junto de alguém. Segundo porque “salvar” qualquer pessoa da depressão é impossível. A culpa não é sua, a responsabilidade não é sua e nada do que você fizer pode acabar com a depressão do seu namorado.

    Uma pergunta muito difícil que meu namorado me faz de vez em quando é se eu estou realmente bem com nosso relacionamento. Eu preciso parar e pensar toda vez, porque é mesmo difícil discernir o que é a necessidade de cuidar e o que é amor

    Namoro não é caridade. Se, ao pensar no seu namorado, te dá pena e tristeza, ao invés daquela sensação gostosinha de “quero estar com essa pessoa”, será que está mesmo tudo bem? Querer ajudar a pessoa amada faz parte de um relacionamento. Mas estar com ela só por isso não faz muito sentido.

  5. ENTÃO, COMO AJUDAR?

    – Seja compreensiva
    Sabe quando você fica gripada e não quer ver ninguém? Depressão é mais ou menos a mesma coisa, só que em proporções bem maiores e em termos psicológicos. Seu namorado está doente, e você precisa compreender que ele provavelmente não vai ter pique para te acompanhar na balada, para ficar te olhando apaixonadamente, para ir naquele jantar de família com você ou até (sim) para transar. Tente exercitar a empatia: quando você está com candidíase ou infecção urinária fica difícil de ter relações sexuais, não é? Então, respeite a depressão do seu namorado!

    – Estude sobre depressão
    Procure a tag #depressão no tumblr, leia artigos online, converse com pessoas que tenham depressão, consulte psicólogos, veja filmes sobre o assunto. Uma coisa que eu costumo repetir sempre para o meu namorado é que eu nunca vou entender o que ele passa, mas posso empatizar e apoiá-lo sempre. E, quanto mais você conseguir entender como a depressão se manifesta, menos difícil será lidar com ela.

    – Incentive o tratamento psicológico 
    Vamos lembrar que a depressão é uma doença, e não uma tristeza passageira. Portanto, ela só pode ser tratada por um médico especializado – que, no caso, é um psicólogo -, e seu namorado só vai conseguir melhorar se tiver a capacidade de encarar isso. Meu namorado é bem resolvido com o tratamento psicológico dele, e costuma dar um argumento muito bom para quem recusa a terapia: se você quebrasse uma perna, diria que não precisa de médico? Então, por que dizer que seu emocional não precisa de médico quando ele está visivelmente doente?

    Não fique em cima
    Seu namorado está deprimido, e não “tristinho”. Ele está doente. Então, imagine como é frustrante quando você o abraça e diz que “vai ficar tudo bem”? Abra espaço para ele, deixe ele ficar um tempo sozinho se precisar, ouça o que ele tem para dividir com você, mas não pressione. Em vez de dizer “o que você quer que eu faça?”, que tal perguntar “como você está se sentindo hoje?”. Às vezes, só ficar em casa com ele por um tempinho já faz alguma diferença (meu namorado, por exemplo, gosta de jogar videogame quando está deprimido, então eu costumo ir ler ou desenhar na casa dele, mas sem deixar de fazer minhas coisas para isso. Costuma ser uma troca bem gostosa de energias). Pequenas ações não-sufocantes são bacanas, porque mostram que você se importa o suficiente para dar atenção só por dar atenção – e não porque você precisa de atenção de volta. Tenha paciência: tratar uma depressão não é como tratar uma gripe.

  6. CUIDE DE VOCÊ

    Até agora, só falamos do bem estar do seu namorado. Mas nessa história toda, você importa também. Uma coisa complicada de estar em um relacionamento com alguém que tenha depressão é que é muito fácil ceder e fazer sempre o que você julga melhor para a pessoa. Mas, de novo, a culpa não é sua, a responsabilidade não é sua e nada do que você fizer pode acabar com a depressão do seu namorado.

    Então, primeiro: procure uma terapia bacana. Eu faço terapia uma vez por semana e isso tem me ajudado em muitos aspectos, não só em relação ao meu namorado. Fui percebendo aos poucos que eu não preciso ficar fazendo as vontades das outras pessoas para que elas gostem de mim – o que era um problema quando comecei a namorar. A terapia também te ajuda a entender o que você realmente quer, e a discernir compaixão de amor, por exemplo. Aos poucos, você vai compreendendo se a relação te faz bem ou mal, e, caso te faça mal, vai ganhando forças para terminar.

    Segundo: separe o seu humor do dele. Se ele está numa crise de depressão, isso não significa que você precisa estar para baixo. Aliás, pense bem: se você ficar triste porque ele está deprimido, ele provavelmente vai se sentir culpado, o que só piora as coisas. Então, saia com seus amigos, trabalhe, continue seus hobbies, mantenha-se ativa: se o seu namorado te ama, vai ficar aliviado de te ver feliz. Meu namorado vive me incentivando a viajar, a conhecer pessoas novas, a sair sem ele, a ter minha vida. E isso é incrível, porque nenhum namoro deveria te podar.

    Terceiro: converse com seus amigos sobre isso. Traga-os para perto, saia com eles, desabafe. Pode ser muito difícil fazê-los entender o estado do seu namorado, mas tentar é sempre um bom exercício, porque você acaba não se isolando e, ao mesmo tempo, tirando um peso grande dos ombros. Você pode confiar nas suas amigas também e exercitar a sororidade.

    Quarto: não se sinta culpada ou egoísta se decidir terminar. Manter um relacionamento com uma pessoa em depressão demanda muita atenção, cuidado e zelo, mas pode ser que você esteja dando demais de si mesma sem nenhum retorno. Pode ser que você não aguente mais seu namorado sendo grosso com você. Pode ser que você não consiga suportar quando ele se afasta. E quer saber? Tudo bem! Você não é uma pessoa horrível ou egoísta por deixar seu namorado nesse estado. De novo, pela milésima vez: a culpa não é sua, a responsabilidade não é sua e nada do que você fizer pode acabar com a depressão dele.

Sabe o que é mais curioso? É que manter um relacionamento, mesmo que um dos parceiros não seja deprimido, demanda muitos dos pontos que eu citei: cuidado consigo, companheirismo, diálogo, apoio mútuo e manter uma vida própria. Namorar alguém com depressão, portanto, não é algo de outro mundo: só requer um pouquinho mais de maturidade e vontade – e o exato mesmo tanto de respeito mútuo de qualquer relacionamento.

* “Namorado” = “namorado ou namorada”

** A autora pediu anonimato para preservar a intimidade do namorado. E nem precisava justificar, né?