“Amanhã eu começo, ainda tenho bastante tempo”; “Vou descansar esse final de semana e começo a semana que vem renovado”. Os dias vão passando e você vai adiando, arranjando “desculpas” para não fazer o que realmente precisa. Seja porque é muito difícil, ou porque você terá que perder muito do seu tempo pra realizá-la, ou simplesmente porque você não gosta da tarefa.

Esse adiamento todo é conhecido como procrastinação. E isso acontece muito e com muita gente no trabalho, nos estudos, na vida social, nos cuidados com a saúde e até com tarefas do cotidiano. A procrastinação vem acompanhada de muito sofrimento, angústia, nervosismo, medo, perda de autoestima, peso na consciência e sensação de incompetência, e pode levar a problemas mais sérios como crise de ansiedade ou depressão. Por exemplo, se eu quisesse escrever esse texto hoje e ficasse deixando para depois, colocando outras prioridades que me dessem um prazer imediato e me deixasse mais confortável emocionalmente, talvez eu não percebesse que estivesse procrastinando. O padrão de adiamento muitas vezes é inconsciente e não é percebido.

Pessoas com esse problema são taxadas muitas vezes pelas outras como irresponsáveis, imaturas, desorganizadas e acabam elas próprias acreditando nisso, ao invés de perceber que isso é um problema e como tal pode e deve ser tratado.

Alguns estudantes, acumulam suas tarefas de estudo e quando percebem, tem tantas coisas para fazer que se acham incapaz de realiza-los. Essa dificuldade faz com que muitas vezes, desistam do curso por acharem “difícil”.  No trabalho, também vão adiando compromissos e quando são cobrados ainda acham que são vítimas e culpam os outros. Em casa, o simples trocar de uma lâmpada ou de uma maçaneta da porta pode ser adiada indefinidamente.

Pessoas adiam sonhos, objetivos. Planejam toda uma vida e levam a vida toda sem realizar uma só etapa. Adiam uma faculdade, uma viagem, uma obra, uma conquista, um amor. Quando se dão conta, a idade passou e ela não tem mais coragem, disposição ou tempo para realizar. O sofrimento, o arrependimento é maior, várias desculpas aparecem: falta de tempo, de oportunidade, dinheiro, etc.

 Como tratar a procrastinação?

Nascemos como uma folha em branco e todo comportamento é aprendido durante a nossa vida de acordo com a nossa interação com as pessoas e  com o mundo. Aprendemos a nos comportar de determinadas maneiras, tornando o adiamento um hábito.

Na terapia, precisamos entender o que leva a pessoa a ter tal comportamento hoje, quais suas causas, identificar facilidades e dificuldades na realização de tarefas, compreender os sentimentos envolvidos neste processo e trabalhar para a aquisição de comportamentos mais adequados. A fragmentação das tarefas em pequenos processos é uma outra técnica que pode ser abordada, onde as metas e objetivos, que normalmente são mais fáceis de serem realizados e alcançados do que a tarefa como um todo, gerando um facilitador no processo de realização.  O desenvolvimento de novas habilidades que venham a facilitar o desenvolvimento das tarefas também é aconselhável.

Portanto, mexa-se e não deixe nada para depois, sob à pena de ficar atolado em trabalhos e acabar não realizando nada.

Helio Felippe