Guias de Autoajuda, Frases Motivadoras, Pensamentos Inspiradores, Livros de Receita e “correntes”, apresentações e mais textos filosóficos por e-mail…

Onde estarão as respostas que todos procuramos, principalmente nos dias agitados, competitivos e estressantes do Século XXI? Será que o Bob Dylan é que tem razão: “A resposta, meu amigo, está soprando no vento”? Frase da mais célebre canção do compositor – Blowin’ In The Wind.

“Você é Insubstituível”, “Como Deve Ser Bom Ser Você”, “O Sentido da Vida”, “Dez Maneiras de Aumentar Sua Autoestima”, “1001 Maneiras de Ser Feliz”. A lista é infindável, títulos e mais títulos dentre os mais vendidos da semana, e ainda assim, Prozac e outros antidepressivos batem recordes de vendas em todo mundo.

O que está errado com a autoajuda e as receitas de Felicidade? Será que a massificação das sugestões e receitas pode atender a individualidade de cada um de nós? Aparentemente, não existe uma resposta tipo “tamanho único” que sirva a todos tamanhos e gostos.

Não sugiro que todas essas publicações sejam lançadas na fogueira da inquisição, em nome da intelectualidade arrogante ou do ceticismo desesperado. Também não posso recomendar nenhuma delas como a cura certa e definitiva para os males da autoestima, da desilusão com as pessoas, de sonhos frustrados, de sentimentos de impotência na luta pela sobrevivência no mercado de trabalho ou em tarefas corriqueiras. Cada um tem que encontrar a sua resposta.

No entanto, a tentação de se receitar em artigos sobre esses temas é muito grande. Sucumbindo a esta tentação, sem medo de ser contraditório, queria reforçar a “Mãe de Todas as Receitas de Autoajuda”: Conhece-te a ti Mesmo.

Não se resolve um problema cuja causa desconhecemos. Podemos usar paliativos para aplacar seus sintomas, podemos aprender a conviver com ele, mas só mirando na causa é que acertaremos o alvo da eliminação do problema. Tenho dito isso em todas as minhas aulas.

Por que minha autoestima é baixa? O que é que me deixa insatisfeita com minha maneira de ser, com minha aparência, com minhas competências e relações interpessoais ou com meu currículo profissional? Por quê? O que é que eu ganharia se essas condições fossem alteradas? O prêmio da mudança valeria a pena o esforço para revertê-las? Afinal, nada de realmente importante e valioso se obtém sem esforço.

A resposta honesta e profunda a estas questões, que se dá a si mesmo, às vezes com a ajuda de um amigo de verdade ou profissional imparcial – Psicoterapeuta, Mentor, Conselheiro Religioso – é o começo da real e efetiva autoajuda; não aquela de almanaques, folhinhas, ou livros bonitinhos, que têm seu valor, porém limitado como balas que se dissolvem e perdem o gosto em pouco tempo. Nesse caso, o profissional tem o meu nome, e é por isso que estou aqui, escrevendo exclusivamente para você, pensando na sua questão.

Pode-se dizer que existem tantas formas de autoconhecimento quanto pessoas querendo obtê-lo. Quem não respondeu àqueles testes de revistas que se lê em salas de espera de dentista: “Eu sou tímido?”, “Tenho potencial de crescimento?”, ou quem ainda não procurou saber as características de seu signo zodiacal ou do horóscopo chinês, ou ainda, quem não foi submetido a uma avaliação de competências em sua empresa para avaliar seu talento? Ou, quem ainda não foi reprovado em um concurso? Quem não tem medo do desconhecido?

Entretanto, novamente, se há uma receita para esta difícil missão, ela não escapa de olhar-se no espelho, falar sinceramente com seus próprios botões – e de preferência, aqueles que quando apertados ligam algo em você – e refletir profundamente sobre quem é você, o que quer e para onde vai.

Para alguns, colocar no papel é fundamental, para outros, trocar ideias com um confidente é importante, e também não se deve descartar instrumentos psicológicos sérios, aplicados e interpretados por profissionais competentes. De qualquer maneira, parodiando Dylan, a resposta, minha amiga, está soprando dentro de você. É você que faz o balanço de sua conta bancária com o mundo – seus débitos e créditos – para decidir que tipo de cliente do planeta quer ser.

O retrato mais fiel de suas próprias vantagens e limitações e a comparação com a condição almejada, lhe dará a dimensão real de quanto esforço lhe custará e a colocará na direção de aumentar a autoestima, melhorar seus relacionamentos, passar na prova de direção, obter uma certificação importante, ou qualquer outro desafio que encontrar pela frente.

Geralmente, sabemos o que temos a fazer para mudar a situação, só não temos a motivação suficiente para fazê-lo e ela está dentro de nós mesmos – só falta conhecer-se para conhecê-la. A regra é não repetir os erros do passado, siga sempre em frente e seja feliz com aquilo que escolheu para você.